terça-feira, 29 de março de 2011

[com você, o mundo]



"Gosto quando olho pra você
Gosto mais quando seu olho vem
Na direção do meu
Na direção do meu
Na direção do meu

Gosto ainda mais quando esquecemos
Onde estamos e olhando em volta escolhemos
A mesma coisa pra olhar
A mesma coisa pra olhar
A mesma coisa pra olhar

Gosto quando olho com você o mundo
E gosto mais do mundo quando posso olhar pra ele com você
Gosto mais do mundo quando posso olhar pra ele com você
Gosto mais do mundo quando posso olhar pra ele com você

Na direção do meu
Na direção do meu
A mesma coisa pra olhar
A mesma coisa pra olhar

(Paulinho Moska / Suely Mesquita)

sexta-feira, 25 de março de 2011

ganhos



"quem tem olhos pra ver o tempo soprando sulcos na pele

soprando sulcos na pele

soprando sulcos?

o tempo andou riscando meu rosto

com uma navalha fina

sem raiva nem rancor

o tempo riscou meu rosto com calma


(eu parei de lutar contra o tempo

ando exercendo instantes

acho que ganhei presença)"


(Viviane Mosé)
.

sábado, 19 de março de 2011

Demônios e o final de uma injusta antítese.


Assustador. Familiar. Desafiador.
Passei tanto tempo dilacerando meus demônios - e quando me escancararam este texto, caí como num pote de mel, mas disse "não machuco a mim mesma tanto assim".
Sim, eu me machuquei, e muito mais. Mas ontem, depois de muito tempo sem feridas, um deles me veio. Por isso hoje lhes convido a conhecer os (seus) demônios.
Ao contrário de antes, ontem os meus não me encontraram. Eu mesma os criei. Eu mesma, sem perceber, não tinha ontem espaço.
Perdi o apreço pelo que rasteja - ou precise me ver rastejar. Amarga a boca aquele que necessita do meu choro para se sentir vivo. Desprezo-o desde ontem.
Coube a todos manifestar em forma de pressa pequena e lágrima seca. Desespero? Eu o comecei. Como se introduzisse por meu próprio discurso a inevitável e avassaladora invasão. Mas de repente, era alívio. Era alívio e eu não via!
Num segundo, o demônio que nem estourou, vazou e estancou a ferida. Ficou o eco barulhento do silêncio contido nas últimas palavras presas.
Até o próximo demônio? Não mais. A paixão não veio. E o último demônio partiu salivando decepções. Babou enraivecido, deixando rastros que apagaram sozinhos. Não saberei mais onde ele foi estourar - e sei que não será aqui.
Sem paixão, não há mais desejo - o desejo de dor, cujo cheiro é o que atrai os demônios.
Eu desejo aquilo que se instalou como mágica, sorriso e plenitude em meu ombro esquerdo, numa noite em que eu esperava pela dor. Quando, ao sairmos, um paraíso disfarçou-se de jardim, a hipótese chamou-se banco de concreto, e o início embrulhou-se em simples beijo demorado. 
Eu desejo o que me fez feliz a ponto de me confundir a pensar que tanto assim só pode ser mentira. E contemplo não encapar de passado o amor que se abre inédito. E não mais atribuirei ao ontem um sentimento que é presente. Comprometo-me a reler todos os dias o bilhete que diz que este presente é todo meu.

Eu quero a verdade. E nunca mais chamá-la confusão. A verdade, este sentimento que agora tem todo o espaço.
Adeus metade. Adeus dúvidas.
Sem paixão pela dor do que não é, hoje eu me despeço, impotentes demônios.
Ao que chegou, brindo com You raise me up - Josh Groban. (não deixem de clicar!!!)



 
SOMOS NOSSOS PRÓPRIOS DEMÔNIOS, de Roland Barthes

DEMÔNIOS: O sujeito apaixonado tem às vezes a impressão de estar possuído por um demônio de linguagem que faz com que ele se fira e se expulse – como diz Goethe – do paraíso que, em outros momentos, a relação amorosa constitui para ele.

1. Uma força precisa arrasta minha linguagem para o mal que posso fazer a mim mesmo: o regime motor do meu discurso é a roda livre: minha linguagem aumenta de volume, sem nenhum pensamento tático da realidade. Procuro me fazer mal, expulso a mim mesmo do meu paraíso, me empenhando em procurar em mim imagens (de ciúme, de abandono, de humilhação) que me podem ferir; e, aberta a ferida, eu a sustento, e a alimento com outras imagens, até que uma outra ferida venha desviar a atenção.

Goethe: “Nós somos nossos próprios demônios, nós nos expulsamos do nosso paraíso” (Werther, nota 93)

2. O demônio é plural (“Meu nome é Legião”, Lucas 7-30). Quando o demônio é repelido, quando finalmente lhe impus silêncio (por acaso lutando), um outro levanta a cabeça ao lado e começa a falar. A vida demoníaca de um enamorado parece com a superfície de uma solfatara; bolhas enormes (quentes e pastosas) estouram uma atrás da outra; quando uma se desfaz e se acalma, retorna à massa, uma outra, mais longe, se forma, cresce. As bolhas "Desespero”, "Ciúme”, “Exclusão”, ""Desejo”, “Conduta Indecisa”, “Medo de perder o rosto” (o mais malvado dos demônios) fazem “ploc” uma atrás da outra, numa ordem indeterminada: a própria desordem da Natureza.

3. Como repelir um demônio (velho problema)? Os demônios, sobretudo se são linguagem (e poderiam ser de outra coisa?), são combatidos pela linguagem. Posso portanto ter esperança de exorcizar a palavra demoníaca que me é soprada (por mim mesmo) substituindo-a (se tenho o talento da linguagem) por uma outra palavra, mais calma (caminho para a eufemia). Assim: eu acreditava ter finalmente saído da crise, quando uma loquela – favorecida por uma longa viagem de carro – toma conta de mim,agito constantemente no pensamento o desejo, a saudade, a agressão do outro; e acrescento a essa ferida o desânimo de ter que constatar que recaio; mas o vocabulário é uma verdadeira farmacopeia (veneno de um lado, remédio do outro): não, não é uma recaída, é só um último sobressalto do demônio anterior.

(Fragmentos de Um Discurso Amoroso, tradução de Hortênsia dos Santos)



quarta-feira, 16 de março de 2011

hipótese e possibilidade

Diante da porta que vejo semi-aberta, penso que posso acreditar que vale o reaproveitar.



"Mergulhar a palavra suja em água sanitária.
Depois de dois dias de molho, quarar ao sol do meio dia.
Algumas palavras quando alvejadas ao sol
adquirem consistência de certeza. Por exemplo a palavra vida.
Existem outras, e a palavra amor é uma delas,
que são muito encardidas pelo uso, o que recomenda esfregar
e bater insistentemente na pedra, depois enxaguar em água corrente.
São poucas as que resistem a esses cuidados, mas existem aquelas.
Dizem que limão e sal tira sujeira difícil, mas nada.
Toda tentativa de lavar a piedade foi sempre em vão.
Agora nunca vi palavra tão suja como perda.
Perda e morte na medida em que são alvejadas
soltam um líquido corrosivo, que atende pelo nome de amargura,
que é capaz de esvaziar o vigor da língua.
O aconselhado nesse caso é mantê-las sempre de molho
em um amaciante de boa qualidade. Agora, se o que você quer
é somente aliviar as palavras do uso diário, pode usar simplesmente
sabão em pó e máquina de lavar.
O perigo neste caso é misturar palavras que mancham
no contato umas com as outras. Culpa, por exemplo,
a culpa mancha tudo que encontra e deve ser sempre alvejada sozinha.
Outra mistura pouco aconselhada é amizade e desejo, já que desejo,
sendo uma palavra intensa, quase agressiva, pode,
o que não é inevitável, esgarçar a força delicada da palavra amizade.
Já a palavra força cai bem em qualquer mistura.
Outro cuidado importante é não lavar demais as palavras
sob o risco de perderem o sentido.
A sujeirinha cotidiana, quando não é excessiva,
produz uma oleosidade que dá vigor aos sons.
Muito importante na arte de lavar palavras
é saber reconhecer uma palavra limpa.
Conviva com a palavra durante alguns dias.
Deixe que se misture em seus gestos, que passeie
pela expressão dos seus sentidos. À noite, permita que se deite,
não a seu lado mas sobre seu corpo.
Enquanto você dorme, a palavra, plantada em sua carne,
prolifera em toda sua possibilidade.
Se puder suportar essa convivência até não mais
perceber a presença dela,
então você tem uma palavra limpa.
Uma palavra limpa é uma palavra possível."

(Receita pra lavar palavra suja - poema de Viviane Mosé)

sábado, 12 de março de 2011

Pétalas

Algumas teclas de piano agora moram dentro daqui e umas cordas de violão me visitam constantemente - saem umas, chegam outras, e a melodia se repete sem pausa. É ainda mais delicioso relembrar de quem a gente gosta quando estamos felizes, vê?
Então, ontem atravessei a madrugada conversando com uma pessoa especial - já inventaram coisa mais aconchegante? Chorei, dei risadas, e fui dormir com a certeza do quanto eu sou feliz latejando em minha cabeça. Depois, demos um passeio a pé daqueles que dá vontade de sair tocando campainhas.
Enfim...isso é só pra dizer que, assim como o papel de parede que vai da minha vontade ao meu coração,  hoje o bloguinho também estampa a minha felicidade plena e suave. Depois de tantos anos daquele visual pink com rosa, meio teen demais para os meus vinte e tantos anos, as pétalas chegam propositais, tanto quanto cada palavrinha que eu posto nos textos.

Ao meu sócio (e ele sabe do que estou falando), p é t a l a s! 
Uma chuva de pétalas como esta, que não sabemos de onde sai, nem onde cai (para mim, elas caem mesmo é do céu, bem aqui na minha testa)

quarta-feira, 2 de março de 2011

Saudade em cores


Porque a saudade que me dá é colorida, penso que gosto de você.
Nas tardes cinzas que se fazem quase noite, eu vejo lonas de circo amarelas e azuis, e muitos palhaços dançando sem maquiagem.
E porque chove, penso que gosto de você. E porque faz sol, também.
E então prefiro a chuva, porque o barulho da chuva é como sons repetindo "saudade, saudade, saudade". Uma saudade para cada pingo. E os palhaços dançam sem maquiagem, porque não precisam das tintas quando felizes, felizes, felizes...
E porque chegam notícias azuis, penso que gosto de você. Mas quando chegam negras, eu tenho certeza.
E então prefiro os dias nos quais te vejo, mas gosto dos que você não está, porque estou, e tenho você nessa saudade colorida
Porque me dá esse gosto de groselha na boca, penso que gosto de você. E quando acordo assustada no meio da noite e sinto tonturas, também.
E porque lá fora é como se nunca mais nada fosse mudar de tom, tenho certeza que, aqui dentro, tudo é calmaria e sons baixinhos, e que gosto mesmo de você.

À você, que eu gosto tanto.

de vez em quando será assim

De vez em quando vai ser assim
vou acordar ainda com sono
levantar ainda de pijama
falar ainda sem pensar
e me lembrar de vc ainda no primeiro degrau

De vez em quando vai ser assim
vou buscar o silêncio pra não sufocar
as paredes lá de casa irão me esmagar
o céu de tão cinza só faz chorar
mesmo que eu não queira
só de vc vou lembrar

De vez em quando será assim
só rimas frágeis terei para expor
na sua boca queria tanto descansar
porque só na sua boca encontrei real sabor
chega de lamento


de vez em quando será assim