quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Por não estarem distraídos




"Havia a levíssima embriaguez de andarem juntos, a alegria como quando se sente a garganta um pouco seca e se vê que por admiração se estava de boca entreaberta: eles respiravam de antemão o ar que estava à frente, e ter esta sede era a própria água deles.

Andavam por ruas e ruas falando e rindo, falavam e riam para dar matéria e peso à levíssima embriaguez que era a alegria da sede deles.

Por causa de carros e pessoas, às vezes eles se tocavam, e ao toque - a sede é a graça, mas as águas são uma beleza de escuras - e ao toque brilhava o brilho da água deles, a boca ficando um pouco mais seca de admiração.
Como eles admiravam estarem juntos!"

Clarice Lispector


(A Clarice, essa eterna moça, tem nos espiado. Menino, não pense que desconheço a outra metade do texto - eu apenas nego, perpetuando só o que nos faz realidade).


terça-feira, 28 de janeiro de 2014

"ainda estou flutuando"



Lírios, delírios, delícias de uma amiga sonhadora que realizou e convidou pra dividir. Divididos que se juntaram, silêncios extensos para reparar. Prender o ar para apreender o entrar do canto em cada canto dos ouvidos. Sentidos tão sentidos, tão recebidos, tão perceptivos.
Domingo foi dia de Talita!
Talita Rustichelli é uma amiga. Jornalista e cantora, me daria motivos suficientes para admirá-la, mas ela veio extrapolando.
Na noite de ontem, um exemplo: ela arrancou um silêncio estridente dentro de um teatro lotado de gente diferente. Eu vi criança dançando, eu vi vovó balançando, mas eu vi num momento um silêncio. O maior silêncio que eu já ouvi.
Quando vi, eu estava sem ar por falta de ruído. O silêncio bateu estúpido no meu peito e senti a garganta mandando o ar não passar. Era preciso manter aquele silêncio.
"Se pergunte o que você fez por você", ela cantava no momento do maior silêncio. Quanto percebi, eu estava dentro da partitura, pregada na pasta aberta diante do microfone dela. Busquei os olhos que me acompanhavam na poltrona ao lado. Mas meus olhos não viravam, e senti que o menino bonito engoliu um gole seco, de boca fechada e respiração interrompida. Ele também estava lá na partitura dela. Nós todos, os duzentos ou mais, estávamos pregados lá.
De todas as lembranças, esta está cravada no pé da garganta.
Hoje eu sabia que eu era das pessoas mais privilegiadas do mundo por ganhar aquele momento. Falando há pouco com a Talita, ela resumiu na frase que dá título a este post. E agora eu tenho a certeza de que eu também flutuei.

Fica, então, aqui o registro sobre alguns segundos de uma noite inteira de surpresas e suspiros.
Não postarei fotos, não fotografei dessa vez, optei por apreender os sentidos.
Talita Rustichelli lançou na noite de ontem seu CD "Tudo é Bom", em show realizado no Teatro Castro Alves, na cidade de Araçatuba-SP.
Dá pra encontrá-la pela página do Facebook.




Amanda Reis
27 de janeiro de 2014

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

ao blog, com carinho

Ah... querido blog! Tanto tenho pensado na gente, em nós três!
O sócio, você, eu. O sócio e eu aqui. Você conosco pelas férias, pelas ideias...
Tanto tenho escrito - acho que nunca escrevi tanto! - sem tirar os dedos do bolso, ou da bolsa, ou do livro, ou do rosto do menino inseguro.
Tanto tenho escrito somente com verbos no presente tão gritante que se esmiuçam muito antes de valer a pena buscar a pena pra um registro qualquer.
Tanto tenho escrito na cachola de ideias desconexas, que num só contexto me perco nos tantos dedos que mudam a cena segundo a segundo.
Tanto tenho visto surpresas, sentido proezas, lembrando-me da gente, o sócio, você e eu... Mas tenho preferido as incertezas - que quando decantam por alguns segundos me dão a quietude da curta contemplação que vai até a próxima iminente eclosão.  



quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

do blog para vocês

onde estão vocês? descompromissados seria demais educado para registrar a postura de vocês, criadores do Poesia com Bobagem. Sim, sou eu, o próprio blog, quem resolveu reclamar. Hoje já se vão quinze dias, metade do mês, o primeiro, de 2014 e, até agora, estou aqui, liso, limpo, em branco, esquecido, ignorado, deixado à margem de duas vidas que parecem não fazer mais sentido diante de uma mídia velha. Mas não são vocês que gostam de velhices, de memória, de registros...hipócritas! mal resolvidos! mal agradecidos! quando me criaram, era quase insuportável aguentar a rotina frenética que me impunham. Posts, comentários em janelas no velho msn, enfim, me davam sentido. mas agora, fico aqui, cansei. resolvi inaugurar 2014 eu mesmo, o blog. já ouviram falar em rebelião de blog? sim, inaugurei uma era, a dos blog deixados de lado por seus criadores que resolvem escrever, imprimir sua marca, deixar sua alma mais visível diante a esfera virtual. escrevendo assim me sinto mais humano que vocês, que despejaram por aqui suas paixões, angústias, desejos...e agora, o que sentem??? por favor, desculpem o desabafo, mas preciso saber o que vocês, meus criadores, estão sentindo.
fico no aguardo. ansiosamente.
feliz 2014