quarta-feira, 29 de outubro de 2014

A melhor fase

Chegamos ao topo! 
Ou ainda não...
Certo é que chegamos à melhor parte! 
Fato é que a leveza se instalou!
(e, não por mera coincidência, este é o nome de um texto antigo)
Como é estremecedora a chegada da leveza e sua acomodação definitiva.
Ah....bobos mortais, nós mesmos, que não possuímos a bonita habilidade de receber a alegria.
Acostumamo-nos com a inclinação pesarosa da subida a ponto das pernas não reconhecerem a chegada.
Chegamos ao topo? Talvez ainda não... Mas é certo que chegamos à melhor parte! Saúde!
Impactante a instalação do desconhecido alívio que agora é constante.
Ninguém mais oscila. Ninguém mais titubeia. 
As coisas, sim. Essas saltam e continuarão como sempre, autônomas. Mas livramo-nos da vontade de guiá-las.
Nada nem ninguém nos tira do topo. Mesmo que ainda não tenhamos chegado lá.



terça-feira, 28 de outubro de 2014

rfx 2



Retomar é preciso?
Qual a chance de dar certo seguir adiante?
E qual a chance de dar nó? De lançar pra trás os olhos e se arrepender tão tarde?
Qual compromisso eu tenho com o erro alheio?
Qual compromisso eu tenho com a confusão alheia?

Retomar é preciso?
Caminhando pela cerca tão farpada, por tantos verões doídos, com passos tão doloridos, descobriu-se que o impossível existia e se abria diante do próximo passo. Pisar?

Retomar é preciso?
Seguindo por tantas armadilhas, negando as alegrias de atalhos com cores, vivendo na sede, vislumbrou o fim da imensa sequidão e sentiu dúvida. Pisar?
Qual compromisso eu tenho com o meu sonho?
Qual compromisso eu quero ter agora?




Palavra de mãe

Haverá quem lerá esse post e dirá "é...praga de mãe pega!". E pega mesmo. Os pais têm responsabilidades espirituais sobre os filhos. São eles os que guardam as entradas do coração e da mente. E nada pode chegar lá sem que eles permitam.

Igualmente, pai e mãe que não medem a língua para proferir bobeiras a respeito do futuro de seus filhos estão promovendo toda e qualquer permissão sobre o que falam.

E qual a responsabilidade dos filhos sobre seus pais?

Há um tempinho atrás, o inspirador do livro mais conhecido do mundo deixou um post-it com dez regrinhas que continham entre os itens:

"Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá" (Exôdos 20:12).

Parece simples, parece simplório. Mas não é.

Honrar o pai e a mãe inclui uma série de grandes e pequenas atitudes nem sempre fáceis de lembrar, quanto mais de cumprir. É não mentir, é obedecer, é uma série de coisas que já negligenciamos pelo menos uma dúzia de milhares de vezes na vida.

Minha mãe é dessas que palpitam pouco, e quase sempre de forma cortante. Se você não quer ouvir, não pergunte. Muitas vezes recebi como resposta frases que eu não seria capaz de supor. Entendimento muito diferente do meu – ou exatamente certeiro naquilo que eu temia pensar.

Agora, bem grandinha e dona do meu próprio nariz, é que eu tenho me deparado com essas verdades. Meus pensamentos têm sido levados com frequência ao encontro desse mandamento. E tenho me espantado com a clareza do alerta.

Concordando ou não, entendendo ou não, cedo ou tarde teremos o encontro com os motivos pelos quais ele nos foi deixado. E não esqueçam de atentar para o mais importante: é um mandamento - não é um palpite ou um bom conselho, é uma ordem.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Pássaros


sempre fui como um passarinho
que não sabe voar em bando
por não saber ser como a maioria
ainda que evitando discordar tanto
eu realmente acho que liberdade
é querer ver livres os outros
como bem pensou Simone de Beauvoir

quando você se foi
fiquei em pleno voo
sobrevoando em círculos
o ninho que ainda nem tínhamos
quando você voou
eu tive que achar o norte sozinha
para depois
descobrir que ainda preferia circular

você me machucou
estive tão cansada
as dores revezavam e não me deixavam em paz
e voar em círculos confunde
a limitação de espaço nos toma a chance 
de um horizonte
e o tempo então perde a dimensão 

mas você nunca me prendeu
esta também é uma grande certeza
eu escolhi que meu voo seria ao seu lado
e que valeria a pena esperá-lo
antes de recolher minhas asas
no afeto de um novo ninho.



(em 17/10/2014 - 00h09)

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

rfx 1

Não há de ser nada até quando?
Não haveria de ser nada até quanto?
Até quando, menina?
Há coisas que só serão vistas quando se decidir abrir os olhos
E outras serão mostradas só quando pronta para enxergar

Justificará até quando todo e qualquer passo em falso do que chama amigo?
Até quando, menina?
Há coisas que só serão vividas quando se decidir
E outras que só chegarão quando houver espaço

Quando foi que se definiram os papéis?
Em que parte da história você os aceitou, menina?
Por que engole? Por quem engole?
Há coisas que só serão  reveladas quando se decidir abrir os olhos
E outras serão mostradas só quando forte para aguentar

Não há de ser nada...
Não há de ser nada...
E de nada em nada está cheia
De impedir a chegada
Da hora de dizer chega.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

trp 1

Mantenha distância.
O que não é bom para o outro, não será para você.
Mantenha distância.
A bagunça de outros mundos jamais será culpa sua.
Mantenha distância.
Não se envolva em laços alheios, a tendência é o aperto.
Mantenha distância.
Antes saiba o que você quer com isso tudo.


Mantenha a distância.
Não é orgulho. É prevenção.
Mantenha a distância.
O que o outro carrega nunca foi fardo seu.
Mantenha a distância.
O momento pede cura, cada um pra si.

Mantenha a distância.

Quem não sabe o que quer certamente não te quer também.