quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Anjo


"Eu vim pra ser seu anjo
Pra lhe proteger
Do céu de onde eu desci
Eu vim cuidar de você
Quem sabe ouvir um anjo
Sabe adivinhar
E ver o caminho
Por onde deve andar
Sorrir é melhor quando soma e traz
Um outro sorriso de alguém
O que você dá
O mal e o bem
Que vai mas volta também"

(Seu Anjo - Roupa Nova)



Feliz! Boba alegre! Notícia boa que me fez sonhar durante a soneca com a cara do dono da notícia falando, falando, falando mais que...mais que eu quando me empolgo em contar algo. Naquela euforia de gente que ganhou presente sem esperar, como mensagem que chega no cel, vindo de quem você mais gosta mas menos espera. Euforia como a que eu tinha ao tagarelar há pouco com um amigo sobre meu jeito cri-cri de resolver os problemas, tecendo os mil orgulhos e perdendo-os todos diante de uma boba mensagem. Feliz. Como momento surpresa. Como minutos que ficam sem explicação, porque as palavras inventadas até aqui não os compreendem bem, e quando vêem, ele já passou. Como o que é mesmo para ser sentido e mais nada. Feliz. "Mais fácil entender do que explicar", como tentou um dia uma pessoa que eu gosto muito. Fácil como dar aquele sorriso de canto de boca quando a gente faz birra (como criança sem anjo por perto) e de repente vê o cel acender pra mostrar o nome do ser - que era para estar bravo mas também ri do outro lado. Euforia das que saem das coisas simples, inevitável como sorrir junto quando um bebê acorda e reconhece as pessoas que assumirão o papel dos anjos.

Um comentário:

Anônimo disse...

PARABENS POR ESTE ESPAÇO DOCE E BONITO. ADOREI OS TEXTOS. BRUNNA.