terça-feira, 30 de novembro de 2010

O S R E V N I



é um dia de primavera. mesmo que pareça verão. é noite, mesmo que o silêncio seja idêntico ao daquela tarde. o sol é tórrido, mas a sombra pode mesmo amenizar miolos moles. eu tinha a certeza de que sabia tanta coisa sobre tanta gente, no mesmo instante que percebi que boa parte do meu coração e da minha cachola ainda sobrava um considerável espaço. eu jurava que na instante do meu encontravam-se LPs de todos os gêneros, mas percebi que na mesa ao lado existe um refrão para cada estado de espírito.


e as leituras! revistas pareciam, na adolescência, literatura universal...quando descobri que Mario Vargas Llosa é quem toca de fato meus neurônios, que Saramago me ensina termos e encaixes textuais e que "As meninas", da Lygia F. Telles, é uma perfeita aula de história.


em uma manhã de domingo, alguém foi embora e parece que me arrancou da inocência, me jogou de forma brusca no universo adulto. ah! sem traumas, que bom seria se todo mundo perdesse a inocência da forma que perdi.


quando enchi a mochila de uns poucos panos e muito sentimento e fui conhecer o mundo, mal sabia que ainda faltava tanto, mal conhecia o que há de belo no céu cinza, o que tem de bom no que era desconhecido. é bom saber que ainda tem muito espaço por aqui.

Nenhum comentário: