sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Rá-tim-bum? (que ritual é este?)

Porque falamos "RÁ-TIM-BUM" ao final do "Parabéns à você", junto com outras palavras bobas e sem sentido, ao homenagear o aniversariante!?!

Quando criança, eu morria de medo da hora do parabéns. Nos aniversários, minha mãe pedia que nos avisassem pouco antes de cortar o bolo, e então ela andava comigo por duas ou três quadras, até que nenhum som da festa pudesse ser ouvido. Eu chorava ao ouvir a música, mesmo que de longe. 
Com o tempo, acostumei com a hora do "parabéns", mas sempre pensando "apagar as luzes, acender velas, cantar uma música seguida de palavras sem sentido, por que assim?".Os motivos pelos quais eu encanei neste lance do "Parabéns à você" ainda são incógnita, mas fato é que ainda hoje não gosto de fazer este tal aniversário - bolo com velinhas e musiquinha, que ritual é esse?





Então, pra quem quiser acreditar, vou colar uma teoria defendida por alguns estudiosos sobre a origem da música. Para começar, vale esclarecer que estes pesquisadores consideram que o "
é pic, é pic" seria uma distorção do original: "é big, é big".
Pois bem, vamos ao trecho completo:
"É big, é big, é big, é big, é big". (quem ou o que é "grande"?)
"É hora, é hora, é hora, é hora, é hora". (hora de quê? algo vai começar?)
"Rá-tim-bum" (totalmente sem sentido!).
Das explicações que já li, fico com esta: a palavra RATIMBUM era usada por magos persas na Idade Média em rituais satânicos e era pronunciada também ao contrário. Sua tradução seria "eu amaldiçoo você".
No mais...me resta dizer que continuo detestando a música e todo o lance das velas, escuridão e palmas.
E se você achou tudo isso muito fantasioso, perca um tempo lendo a outra explicação (vide google) e verá quanta fantasia!


Um comentário:

Walter Riedlinger disse...

Acessa o meu também www.poetaemchamas.blogspot.com. Abraço