quarta-feira, 17 de março de 2010

doce receita, sabor morango

Tem uma música que diz que rir é bom, mas que rir de tudo é desespero. Nem me lembro quem canta, a frase é boa, o intérprete deve ser risível. Assim como quem ri de tudo. Levantei com a língua suando um destilado sabor morango, mas de efeito reverso. Puro veneno. Puto veneno. Não sei de onde veio, acho que da noite bem dormida. Fiquei na cama mascando uma secura por alguns segundos e pensei como são felizes os idiotas. E quem sou eu?

Ai apareceu a frase da música...rir de tudo é desespero...e continuei a mascar. E a omissão? Quem ri de tudo é omisso? O silêncio dos inocentes se equivale à omissão dos covardes? Bom, se olhar do lado, se olhar pra trás ou se tiver veias gélidas para encarar o espelho, verá que precisa mesmo de boa dose de idiotice e covardia para sobreviver.


Ah! A sobrevivência...continuam a respirar aqueles que se omitem do próprio gozo em prol de se manter ali no picadeiro, com a plena sensação de quem guia as atrações, mas de forma alguma percebendo que és aquele(a) que faz rir. Nem mesmo o palhaço é assim tão omisso, mas quem disse que o palhaço sobrevive?
Os omissos, ah! Os omissos, se perpetuam assim mais do que polens, invisivelmente, amargamente. Mesmo que façam o máximo de barulho, que perfurem nossas tripas com o mais afiado dos punhais, nós jamais percebemos a fatalidade do inevitável. Os omissos, ah! Os omissos, doce receita da certeza de abrir os olhos.

3 comentários:

Amanda disse...

kkk..só você mesmo! Uma quebra radical nos assuntos que eu tenho postado nos últimos dias! bjss

AGT disse...

seus assuntos, hum...e quem disse que to me referindo a sustentabilidade do planeta?

Anônimo disse...

Quem canta essa música é frejat (Y).